O que é Unfollow Terapêutico?

agosto 12, 2018 | Categoria: Vibes

Oi, meus amô. Quero falar com vocês sobre uma hashtag nova que surgiu no Instagram: o Unfollow Terapêutico. Acho importante a gente conversar sobre isso, e quero muito a opinião de vocês. :)

Por que surgiu essa hashtag?

Uma pesquisa feita pela Sociedade de Saúde Mental do Reino Unido avaliou o impacto que o Instagram tem na saúde mental de nós, xófens, de 14 a 24 anos. Já foi considerada a pior rede social, também. Isso porque mostra estilos de vidas que não condizem com a realidade de pelo menos 90% da população. A mesma pesquisa aponta um aumento de casos de depressão e ansiedade ligados a essa rede.

O que é Unfollow Terapêutico?

Unfollow Terapêutico é um movimento que tem a proposta de incentivar que você deixe de seguir perfis que não façam bem pra sua saúde mental. Seja aquela blogueira que viaja todo dia, seja um perfil de culto ao corpo e à dieta, etc. Muitas pessoas vão dizer: “Ah, Lari. Mas a gente não devia sentir inveja ou se comparar com outras pessoas. Cada umx é cada umx.” É muito bonito isso na teoria, né? Mas a gente é humano. Seja lá o que você sente, tá tudo bem. 💝 Não é errado sentir inveja, tristeza ou raiva vendo fotos de amigxs na Tailândia, gente com o corpo que você queria, ou pessoas muito bonitas que fazem você se sentir mal. Tá tudo bem, mesmo.

PS: trouxe falas muito sensíveis da psicóloga Cecília Dassi sobre Unfollow Terapêutico:

“Tem muitas blogueiras que REALMENTE falam para “dar valor aos momentos simples” em situações TOTALMENTE de luxo, falam que o maior perrengue que já passaram na vida foi morar em Barcelona sem ter motorista, falam que “maternidade é muito mais fácil do que as pessoas dizem” tendo empregada, babá e família ajudando; falam que dá SIM pra viajar todo ano, que “todo mundo” pode juntar dinheiro ao longo de um ano pra viajar, etc.

Existem pessoas que estão, realmente, muito desconectadas da realidade da grande maioria do mundo, e seguir um monte de gente desse tipo no Instagram vai aos poucos te fazendo achar que “todo mundo tem uma vida ótima” e que só você tem uma vida bosta. 💩

Então, parar de estar no meio desses estímulos, se afastar desses conteúdos que trazem à tona toda essa confusão de sentimentos e te fazem tirar tantas conclusões (idealizadas) sobre o mundo e (muito negativas) sobre você mesmx é um passo geralmente importante.

O que quer que seja que você esteja sentindo, é legítimo. Cê tem que acolher e respeitar. 🙂

O Unfollow Terapêutico faz a gente se respeitar mais, legitimar o que sentimos, e de quebra evita a perda de parâmetros do cotidiano:

Algumas pessoas negam os sentimentos e entram numa batalha: “Eu não devia sentir isso. Inveja é muito feio. Eu devia pensar de outra forma 😡”.

Não, você não tinha que pensar de outra forma. É melhor que você sinta, olhe pra essas coisas com carinho e lide com os recursos que tem hoje. :)

Pra finalizar, ficam alguns questionamentos: quais conteúdos a gente consome nas redes sociais? Nos inspira ou prejudica?

Unfollow Terapêutico é sobre filtrar, se cuidar, se amar, também. É a gente respeitar os limites que temos. 💓

Postado por: Larissa P

O que você acha? :)

87 oo o.O cry S33 S2 D <s2 <4 <33 <22 ;F ;) :D :-) :* :( : 99s 99) 00 --/ *.* **..** **** (S
  1. Vy disse:

    Gente, não conhecia o blog, mas já amando! A gente não é obrigada a nada, né, muito menos seguir gente desconhecida que faz a gente se sentir mal conosco mesmos! Eu só sigo quem faz conteúdo que me faz sentir bem, se os amigos postam só coisas que me deixam down, dou unfollow sem medo!

    E eu ainda acho surreal que a Cecilia Dassi hoje é conhecida como psicóloga e Youtuber… Pra mim ela sempre será a atriz mirim prodígio!

    • Larissa P disse:

      Falou tudo, mana. Não somos obrigadas, né? O que mais tem é conteúdo que visa ao lucro da indústria da dieta e da estética. E a gente aqui dando rios de dinheiro pra cirurgião ou empresa fitness achando que isso trará felicidade. Pior que não traz, e a gente continua consumindo.

      HAHAHA, meu, acredita que não peguei a fase dela como atriz? Se você olhar os vídeos dela, vai ver que ela é uma psicóloga maravitop, tô amany.
      Beijas. <22

  2. Rowe disse:

    Acredito que a maioria dos conteúdos que consumimos com o propósito de nos motivar acabam fazendo exatamente o contrário. Seguimos perfis de pessoas que fazem isso e aquilo mas não sabemos DE NADA que está verdadeiramente por trás de tudo. Exemplo disso foi o caso da blogueira BOCA ROSA que dava dicas fitness e fazia lipo escondida. Quantas meninas se sentiram um lixo por não conseguir chegar onde ela chegou seguindo todas as dicas a risca? O filtro tem que vr da gente e não dá pra se espelhar em pessoas com realidades surreais da nossa pois a única coisa que vamos conseguir é achar que somos incapazes. Amo o instagram, mas passei a selecionar melhor o que consumo, pro meu próprio bem. :)

    • Larissa P disse:

      Nossa, siim. Eu filtrei o conteúdo que vejo, e hoje tô acompanhany a rotina normal dos amigos estudantes, ou de netflix, e essas coisas. Gosto de ver algo quando quero viajar pra X lugar, e aí a tal pessoa fala desse lugar. Motiva muito. Mas se não for pra motivar e inspirar, nem sigo. <22

  3. Yasnaya disse:

    Menina já dei tanto unfollow, mais que terapêutico, algumas @s não tinham nada de útil para informar sabe, apenas aquelas fotos fabricadas, plásticas e que só influenciavam o consumismo.
    Me senti bem melhor depois disso.
    Essa citação da Cecilia, que eu nem sabia que era psicóloga, é muito verdade. São certas queixas das blogueiras que, meu Deus, eu tenho que rir!
    Problemas do século XXI, internet é maravilhosa, como encontrar seu blog, mas também pode afetar a gente de uma forma que, às vezes, nem percebemos, apenas vemos o resultado final, quando já estamos bem mal!
    Bom, espero que a gente consiga sempre se desintoxicar!


    xero grande

    • Larissa P disse:

      Awn, mana <3 feliz que cê curtiu aqui. <22
      Poisé :( às vezes é tão automático, né? Que a gente não para pra pensar sobre essas coisas que nos fazem mal. de pouquinho a pouquinho. :(

  4. Andrea disse:

    Nossa, Lari, dia desses estava conversando justamente sobre isso, como as redes sociais fazem mal. Muita gente pensa que o unfollow é por inveja, mas eu acredito que seja mais para parar de seguir uma vida irreal!! Muitas pessoas no instagram vendem a ideia de que tudo está perfeito, quando na verdade não é nada daquilo.
    Lógico que a gente não quer ver gente falando apenas dos problemas, mas também não vale vender um estilo de vida que nem ela alcança, não é mesmo?

    • Larissa P disse:

      Nossa, siim, Andrea. Concordo muito contigo. Esses dias li sobre uma blogueira que se afundou em dívidas pra manter um feed/vida perfeita no insta. :/ A que ponto a gente chegou, sabe? É isso que você falou de vender um estilo de vida que, às vezes, a própria pessoa não vive. Gente, e que coisa linda te ver por aqui, mulher <3

  5. Kaila Garcia disse:

    Amei demais seu post, isso acontece com frequência, as vezes seguimos alguém que nem gostamos ou que nem expressa coisas boas apenas para nós mutilar. Não sigo e nem tenho nas minhas redes sociais pessoas das quais não me identifico.

  6. Que todo mundo possa ler esse post!

  7. Lincoln Costa disse:

    Cara.. seu post é tão bem escrito que a gente que lê varia bem nas emoções a cada parágrafo.
    Inicialmente, eu ri quando li “Mas a gente é humano. Seja lá o que você sente, tá tudo bem. ” Hahaha, achei divertido essa quebra, contraste, na linha de raciocínio.

    Porém ao ler os prints da psicóloga fiquei hipertriste (no sentido de ter empatia por eles, né…). Até porque, acho que todos os brasileiros estão passando meio que por isso: vendo as pessoas que possuem moedas mais valiosas que a nossa esbanjarem luxo, viagens e etc. A gente trabalha quatro vezes mais do que alguém que recebe em dólares, e compra tão pouco… é uma insatisfação que vejo diariamente.

    Bem, pra quebrar essa tensão, só mesmo a leitura de um bom romance não é mesmo?! haha, por isso que estou escrevendo um. Saibam mais detalhes no meu blog. ****

  8. Luana Souza disse:

    Que amor de post! O melhor foi ter me identificado com ele, no começo do ano eu tive umas certas crises e eu comecei a perceber que o instagram era uma rede social que me afetava demais, e eu fiz justamente isso, parei de seguir o que me causava desconforto!! E eu nem sabia que tinha um nome para isso. É a melhor coisa mesmo, você abre o app e não se depara mais com coisas que só te deixariam para baixo!! Adorei, e amei conhecer o blog também ♥
    Beijos, :*
    https://blogluanices.blogspot.com/

  9. Falei sobre isso nas minhas primeiras consultas com meu psicólogo há alguns meses atrás. Não com esse nome, mas com o mesmo objetivo. Foi um exercício dificil de fazer, pois ao mesmo tempo que eu sabia que aquilo não me fazia bem, eu queria continuar acompanhando.
    Hoje estou MUITO melhor em relação a isso.
    TUDO tem limite e devemos dar atenção naquilo que nos faz bem.
    Amei demais essa campanha =D E APOIOOOOOO

    • Larissa P disse:

      Ai, mana, que bommm, sério <3 Eu descobri há pouquinho tempo isso. E faz uma puta diferença, né?

      Ah, e tô usando o plugin que cê indicou <4 tu foi incrível. gratidão ****

  10. Mary disse:

    Enquanto deixar de seguir certas contas pode sim nos ajudar a nos sentir melhor com nós mesmos, eu não concordo muito com a ideia de ser “terapêutico”, porque não é. Dar unfollow, bloquear, silenciar, tudo isso é evitar, é fugir do problema. O problema real está em nós.

    Em primeiro lugar, não tô querendo dizer que a culpa é só do indivíduo que segue — tem uma sociedade inteira cagando regra e dizendo que a gente só é bem sucedido quando faz x igual fulano fez. Mas grande parte desse efeito tóxico das redes sociais está na mente da pessoa, e não nas redes sociais em si. A toxicidade somos nós mesmos.

    E como lidar com isso? Com terapia. Terapia de verdade. Não com unfollow. Como eu disse, o unfollow pode ajudar enquanto a gente ainda não consegue lidar com esses sentimentos. Sair das redes sociais, viver um pouco mais a vida real, olhar pro nosso vizinho, pra nossa família, e reconhecer que ESSA é a verdade certamente é beneficial, mas por tempo limitado. Porque é questão de tempo até que apareça alguém na vida real que sabe mais do que você, que fez mais do que você, e você se sente pequeno de novo. Por que? Porque o problema não tá só nos outros, tá em você também.

    Como você diz no final do post: qual o tipo de conteúdo que você consome? Ele ajuda ou prejudica? Bem, uma terapia de verdade é capaz de nos fazer olhar pra esses perfis supostamente tóxicos como perfis inspiracionais. Porque o problema não é o conteúdo desses perfis em si, mas sim como nós o percebemos. E já tá mais do que na hora de a gente olhar pra si mesmo e nos perceber pelo que a gente é, e não pela mente dos outros que dita “viajes, carro, beleza, dinheiro = sucesso na vida”.

    Beijinhos.

    • Larissa P disse:

      Oi, Mary. Interessante seu comentário :) Acho que existe muita reflexão aqui: eu concordo em partes. Concordo quando diz que nossa perspectiva pode mudar e que somos responsáveis pelos nossos atos, nossas escolhas. Mas a gente não controla o que vem de dentro, o que sentimos. O que acontece é que algumas pessoas NEGAM o sentimento “eu não deveria sentir isso”. Mas, se a gente está se sentindo mal, isso é legítimo, isso é verdade para nós.

      O ponto nunca será substuituir a terapia pelo Unfollow Terapêutico. O unfollow serve apenas para filtrar o conteúdo que você consome: sociologicamente, existem conteúdos nocivos, sim, como o culto ao corpo e uma forte ditadura da beleza, que oprime majoritariamente mulheres, e a indústria de cosméticos e da dieta lucra MUITO promovendo esses conteúdos que nos objetificam. Eles não são “supostamente” tóxicos. Eles são tóxicos, porque objetificam nossos corpos. E sobre a blogueira que posta viagens todos os dias: eu faço terapia, e a psicóloga diz que tudo bem deixar de seguir, que eu não preciso mudar todas as perspectivas e ver tudo como inspiracional. Terapia é sobre você se respeitar :)

      Na teoria é muito bonito o sentimento de negação: “Não devemos nos sentir mal, devemos ver o conteúdo como inspiracional”. Mas na prática somos humanos, e esses sentimentos “tidos” como ruins não são, na verdade, ruins. Nos ensinaram assim. E tá tudo bem se sentir mal. Tudo bem não querer seguir mais.

      Beijos, mana.

      • Mary disse:

        Olha, não tinha pensado pelo lado da indústria da beleza. Isso certamente é prejudicial pra nós, tanto pra mente quanto pro corpo. Eu me referi mais aos perfis pessoais de pessoas que estão aparentemente tendo a vida dos sonhos, sabe? A pessoa não está sendo tóxica, ela está apenas compartilhando as alegrias dela, e somos nós que transformamos isso em algo ruim.

        Como você disse, em nenhum momento a gente deixa de ser humano e a inveja pode sim fazer parte da experiência de visitar um perfil desses. Mas ele não é tóxico por si só, e a nossa inveja diz muito sobre quem nós somos. No que tange a inspiração, a gente também tem que refletir um pouco aí. Que tipo de inspiração eu quero ter? Se eu não gosto de viajar, por quê eu vou seguir uma blogueira que viaja sem parar e me faz me sentir um lixo porque eu não viajo?

        E não, você não precisa mudar sua perspectiva sobre tudo, como tua psicóloga disse. Nem tudo precisa ser mudado. Mas quando se trata daquilo que nos incomoda, qual o sentido em continuar com isso? É aí que tá o problema do unfollow terapêutico: de terapêutico ele não tem nada. É fuga. Porque a partir do momento que a gente se depara com a mesma situação na vida real, fora do mundo dos follows, o sentimento todo volta e não tem botão de bloquear no mundo real. Pra quê manter algo assim dentro de nós, não é mesmo? Compensa mais mudar isso em nós do que sair dando unfollow só porque nos sentimos pressionados ou incomodados.

        Enfim, esse é só o MEU ponto de vista, não uma verdade absoluta. Entendo que pessoas diferentes veem a situação de maneiras diferentes, mas é sempre bom refletir um pouco. :-)

        • Larissa P disse:

          É, eu não tinha pensado por esse lado, mana :) eu concordo. Acho que pode ser interpretado como fuga, sim. Mas se aquilo é demais pra você, se faz mal e te traz constantemente pra um estado negativo, se aproximar daquilo sem o devido preparo só vai fazer você intensificar e cair cada vez mais fácil nesse mesmo estado emocional. Se afastar ou “fugir” não é sempre ruim, ainda mais se aquele contato só gera negatividade. O que pode rolar é usar o afastamento pra se munir de uma base emocional melhor, pra quando aquele contato acontecer, não ser tão ruim. O afastamento pode ser usado pra gerar clareza e pra facilitar o florescer de um amadurecimento por outras vias. <4 Acredito nisso.

          Brigada por essa troca <3 smp bom refletir sobre essas coisas, Mary.

  11. Leslie Leite disse:

    Comecei um unfollow terapêutico em minha vida antes mesmo de saber da existência dessa hashtag, hahaha. Acho essa ação muito válida! A uns meses atrás eu entrava naquela aba de pesquisa do Insta e ficava só fuçando vida alheia e achando que tudo era muito perfeito e que eu nunca conseguiria viver aquilo. Aí eu parei de seguir tais perfis e outros eu comecei a ter um olhar diferente, o de inspiração. E claro, comecei a agir para alcançar minhas metas, tem dado certo, o unfollow terapêutico é ótimo!
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

  12. KARINE disse:

    eu concordo MUITO com isso e amo acompanhar a cecília (no instagram e youtube). cada vez, vejo o quanto é importante nós entendermos o que sentimos e porque sentimos, nos afastando do que faz mal e procurando mais inspirações para nossos dias. adorei o post :)

  13. Verdade, querida :) E acho que vais adorar, quando experimentares. Pelo menos estamos a fazer mais por nós :)

    Felizmente sou muito preciso e conciso nos perfis que sigo :) Adoro boas energias e fotografias que me inspirem!!!
    Post perfeito :D

  14. Camila Faria disse:

    Maravilhoso demais esse post e essa reflexão Lari. Apoio demais o unfollow terapêutico, acho que essa vida de comparação só pode levar a tristeza e a depressão (especialmente entre os usuários mais jovens, que ainda estão construindo uma noção de self). Perigoso demais. Por uma vida com mais carinho e atenção nas redes sociais ~ e menos conteúdo nocivo. <3

  15. Chell disse:

    QUE MARAVILHOSO ESSE POST.

    Ando praticando muito isso. Tô fazendo a maior limpa esses dias em todas as redes. Ajuda né?

  16. Bruna Morgan disse:

    Já deixei de seguir muitas contas que mostravam coisas impossíveis e que me deixavam mal

  17. Ester Alves disse:

    Eu pessoalmente só uso o ig pra guardar recordações e ver lives de artistas que gosto, porque tenho plena noção de como uma rede social que vive a base de imagens pode ser prejudicial para o psicológico das pessoas, sabe? Não só por luxo e condição de vida, como foi bem ressaltado na postagem, mas também por aparência física (que muitas vezes é totalmente alterada por filtros e photoshop). Por isso acho esse projetinho MARAVILHOSO. Às vezes a gente sabe que seguir top models e pessoas com uma realidade muito diferente da nossa faz mal, mas precisa de um empurrãozinho pra parar com isso, e nada melhor que a fala de uma psicóloga e um projeto desses, né?

    P.S.: eu tô bem triste por não ter conhecido esse blog antes dksjdks que coisa mais lindaaa

  18. Dai Castro disse:

    Interessante ler um post sobre esse assunto justamente no dia em que comecei a olhar um por um quem eu seguia no instagram e constatar que por diversos motivos, estava na hora de fazer uma limpa!
    Eu gosto bastante dos vídeos da cecília dassi ela esclarece muitas questões psicológicas e eu simplesmente, concordo que a nossa mente acaba interpretando todos os estímulos visuais que temos no instagram de um jeito que não nos faz bem!
    O jeito é seguir só perfis que nos traz algum tipo de sentimento bom!
    Um beijo!

  19. Mirele disse:

    Oii estava navegando em seu blog e encontrei diversos artigos interessante como este, alias estou adorando conhecer este blog.
    Parabéns belo blog !

  20. Thayline disse:

    Certos conteúdos me deixam chstrada, então esses dias dei um limpa no meu instagram (ao meu ver, a pior rede social nesse aspecto ai meu ver) e digamos que foi uma das melhores coisas que já fiz S33 Alguns me prejudicavam, no sentido de desejar aquele corpo, ser fotogenica, mas não era asdim e ponto. Amei esse post, espero que incentive muita gente a se livrar do que faz mal :)

  21. Luly Lage disse:

    Eu adoro as coisas que a Cecília Dassi fala. Acho ela tão verdadeira, tão sensata, e passa as coisas com tanta tranquilidade e carinho… Muito gracinha!
    E acho Unfollow Terapêutico uma coisa IMPORTANTÍSSIMA também! E não só em relação a pessoas famosas, ou que estão na mídia de alguma coisa, com suas vidas visualmente perfeitas, mas também pr’aquela do nosso dia a dia que não está nos fazendo bem. Se “não pode” deixar de seguir por convenções sociais, agora o próprio Instagram tem aquela opção de não receber as fotos da pessoa, né. Temos que cuidar da nossa cabecinha porque é ela que cuida da gente todos os dias, não dá pra deixar gente tóxica ou a inveja estragar isso!

  22. Thaty Lopes disse:

    Minha atitude foi sair de tudo mesmo, do modo mais radical. Eu tentava fazer esse detox mas sempre acabava seguindo mais perfis tóxicos e ficava num looping sem fim. Não sei se algum dia retornarei para as redes, nada é definitivo, mas como falo em um post do meu blog, não têm feito falta alguma e é libertador !
    Beijos de luz :D